Edificações Habitacionais: Mudam requisitos para os sistemas de pisos

Algumas mudanças significativas foram realizadas durante a revisão da Norma de Desempenho (NBR 15.575), cujas seis partes estão em consulta pública nacional até o dia 13 de setembro na Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). São elas: Requisitos Gerais (NBR 15575-1); Sistemas estruturais (NBR 15575-2); Sistemas de pisos (NBR 15575-3); Sistemas de vedações verticais internas e externas (NBR 15575-4); Sistemas de coberturas (NBR 15575-5), e Sistemas hidrossanitários (NBR 15575-6). Especificamente na Parte 3, que trata de requisitos para os sistemas de pisos, uma das mudanças é a de que a norma não se restringirá apenas aos sistemas de pisos internos, mas, também, aos externos.
De acordo com a superintendente do Centro Cerâmico do Brasil (CCB) e relatora do GT 3, que trata da Parte de Sistemas de Pisos, Ana Paula Menegazzo, na norma foi introduzida toda a concepção do sistema de pisos e cada camada que o compõe. “Essas definições são importantes para que o usuário entenda que há requisitos de desempenho que dependem do sistema de piso como um todo e há requisitos que dependem apenas da camada de acabamento, por exemplo”, diz.
Segundo Ana Paula, a parte de desempenho acústico foi totalmente revisada por um Comitê formado por especialistas no assunto. No que se refere ao requisito Resistência à umidade do sistema de pisos de áreas molhadas e molháveis, foi adicionada ao Critério – Ausência de danos em sistema de pisos de áreas molhadas e molháveis pela presença de umidade a avaliação da diferença de tonalidade devido à presença de umidade (por exemplo, mancha d´água). A alteração de tonalidade, visível aos olhos, frente à umidade, é permitida desde que informada previamente pelo fabricante e, neste caso, deve constar no Manual de Uso e Operação do Usuário.
Já quanto à Resistência ao ataque químico, por ser um requisito totalmente relacionado aos componentes da camada de acabamento, prevaleceram as normas específicas de cada produto, porém, foram adicionadas duas metodologias de ensaios (para produtos destinados às áreas secas e às áreas molháveis/molhadas) para serem usados nos casos onde não se tem normas específicas. “No meu ponto de vista, o texto normativo evoluiu muito após a revisão, todos os pontos alterados foram relevantes. Ainda virão mais sugestões na consulta nacional que poderão gerar novas mudanças”, destaca Ana Paula.
Para que a norma realmente seja aplicada, a relatora acredita que é preciso tornar a NBR conhecida em todo o Brasil e por todos os agentes, inclusive os usuários. Uma das preocupações da relatora do G3 é a de não ter laboratórios equipados, preparados e com procedimentos padronizados distribuídos em todo o território nacional para atender a demanda que virá após exigibilidade da norma. “Toda norma é voluntária e a forma da NBR 15575 “pegar” é fazer com que os usuários exijam seu cumprimento. Todos os órgãos públicos de financiamento deveriam exigir o cumprimento da norma, todos os agentes envolvidos na cadeia da construção civil deveriam cumprir a norma e mostrar publicamente que cumprem, enfim, é preciso o engajamento e conscientização de todos os envolvidos”, reforça.
Sobre o processo de revisão, Ana Paula destaca que as reuniões do Grupo de Trabalho 3 (Pisos) foram extremamente participativas e contou com a representação de todos os agentes (projetistas, fabricantes, incorporadores/construtores e consumidores). “As plenárias, nem sempre foram amistosas, mas no contexto geral, o trabalho de revisão foi positivo. Cabe ressaltar que a Cbic teve um papel de articulação louvável em todo o processo de revisão da norma e ajudou muito para que as mudanças necessárias fossem efetivadas”, diz Ana Paula. É muito importante que todos os agentes/profissionais atuantes no setor da construção participem da votação.
A Cbic reforça a importância da participação de todos na votação da mesma, cuja consulta está disponível no link www.abntonline.com.br. Clique no link do “ABNT/CB-02 Construção Civil” para ter acesso às seis partes da Norma. Para visualizar e votar, é preciso apenas criar o ABNT Passaporte (nome, CPF, email e senha). O processo é rápido e simplificado. Clique aqui para acessar o passo a passo para a votação.

Fonte: Cbic

Voltar a Home




Copyright © Prémoldados 3 irmãos - Todos os direitos reservados